(Re)pensando os arquivos literários